terça-feira, julho 10, 2018

O conto da Aia - a memória como condição de humanidade

       
O romance O Conto da Aia, da escritora canadense Margaret Atwood, de 1985, é uma obra consagrada desde a época de sua publicação. A autora, aliás, possui uma vasta obra, composta de romances, poesia, literatura infantil e textos não ficcionais, foi agraciada com numerosos prêmios, enfim, é um grande nome da literatura mundial. Mais recentemente, entretanto, O Conto da Aia voltou a ganhar destaque, seja pelo lançamento da série de mesmo nome, seja pelo recrudescimento de tendências conservadoras e posturas politicamente autoritárias no cenário internacional, que trazem semelhanças ao dramático contexto da distopia imaginada por Atwood. Misoginia, homofobia, desprezo pelo conhecimento, são alguns dos aspectos que povoam a pós-apocalíptica totalitária sociedade de Gilead.
        Recomendo muito a leitura, por sua qualidade literária e pelas reflexões que o enredo suscita. Distopias são provocativas por natureza, e fica difícil evitar uma certa paranoia provocada pela fantasia da implementação súbita de extremos de cerceamento e controle social como os descritos pela narradora, a Aia especificada no título.
       A síntese do romance é fácil de se encontrar, e a série ainda não vi - tem sido elogiada, ganhou vários Emmys, e espero realmente que ela esteja à altura do delicado texto original.
       O que se destaca, a meu ver, na leitura, é o trabalho primoroso que a autora faz ao redor da importância da memória como ato de resistência. O fluxo de consciência registrado pela narradora, limitada pelo seu lugar específico de Aia naquela sociedade rigidamente estratificada, traz marcas da busca de identidades que possam oferecer material para a criação de algum tipo de vínculo. Ela é conhecida como Offred no momento em que se passa a história, denominação que atesta seu pertencimento a um dado núcleo familiar. A negação das individualidades e das histórias pessoais aparecem como característica marcante do sistema predominante em Gilead. Assim, dá-se a intenção de marcar a memória com suas diferentes ativações: um seguido recontar das histórias das Aias que estiveram consigo no severo Centro de Reeducação; o buscar, nas esquinas da cidade, as reminiscencias dos espaços por onde circulava nos velhos tempos; o ato de aguçar a atenção para fixar os traços do amante, para que eles não se esvaiam, como parece acontecer com os traços do marido que o sistema lhe tirou
         Atwood joga, na narrativa, com a plasticidade do contar. São vários os momentos em que temos múltiplas possibilidades de visões das cenas, algumas buscando maior precisão, outras trazendo o relato do desejo da narradora, logo contrafeito pela realidade que a frustrava. A dura vivência de Offred é permeada pelas idas e vindas de seu pensamento, buscando pistas para tentar entender o súbito esfacelamento da sua existência absolutamente trivial e o espanto e terror diante de uma situação em que sobreviver e não cair ainda mais baixo na zona de indignidade tornou-se uma preocupação de primeira ordem.
        Ao final, Atwood reserva um capítulo especialmente provocativo aos historiadores, mimetizando eventos do campo e gêneros da produção historiográfica. Coloca-nos, assim, diante dos exercícios de construção da historicidade, com seus ritos e suas limitações, com compromisso de entendimento dos períodos estudados em sua complexidade, mas com a inevitável empatia em relação às dores e às violências vivenciadas por aqueles sobre quem estudamos. 
        Nesses tempos em que as disputas de narrativas acirram-se em tantas esferas, que a despersonalização das relações e a futilização dos artefatos de memória se disseminam com velocidade, a leitura de O conto da Aia valoriza capacidades humanas muito básicas como ferramentas de manutenção da humanidade em condições muito adversas. Hora de nos aferrarmos, no mínimo, ao básico.


4 Comments:

Anonymous comprar seguidores feminino said...

Muito bom!

9:47 da manhã  
Anonymous comprar curtidas instagram said...

Muito bom!!!

4:19 da tarde  
Anonymous comprar seguidores segmentados said...

Ótimo texto, parabéns

10:31 da manhã  
Blogger dịch thuật miền trung said...

Khoai Deo Hải Ninh tại TK 5, Quán Hàu, Quảng Ninh, Quảng Bình là Đặc Sản Quảng Bình nổi tiếng nhất. Khoai deo Hải Ninh, Quảng Bình, loại khoai Deo có nguồn nguyên liệu chính là khoai lang màu đỏ, được trồng trên những cát trắng của Xã Hải Ninh, Huyện Quảng Ninh, tỉnh Quảng Bình. Được xem là Khoai Deo Quảng Bình thượng hạng, khoai deo Hải Ninh nổi tiếng khắp ba miền bởi hương vị thơm ngon hảo hạng mà hiếm có loại khoai deo nào sánh bằng. Nguồn gốc khoai nguyên liệu tạo nên hương vị của khoai deo. Có lẽ chính cái nắng, cái gió từ tự nhiên đã tạo nên hương vị đặc biệt: bùi bùi, vị ngọt lắng sâu trong làm mê mẩn thực khách. Khoai Deo Hải Ninh, Quảng Bình là món quà tinh tế gửi tặng bạn hiền, tri kỷ, gửi gắm biết bao tình cảm chân thành của mảnh đất và con người miền nắng và gió Quảng Bình. Là một người con của vùng đất Hải Ninh, Quảng Ninh, Quảng Bình, Chúng tôi mong muốn được góp một phần nhỏ bé của mình vào việc quảng bá đặc sản quê hương đến mọi miền tổ quốc. Chúng tôi chuyên cung cấp sản phẩm Khoai Deo Hải Ninh với chất lượng vượt trội, được thu mua tận nơi sản xuất. Đảm bảo không sử dụng các chất có khả năng gây nguy hiểm cho sức khỏe con người.Chúng tôi mong muốn được phục vụ quý khách hàng trên toàn quốc một các tốt nhất. Nếu quý khách có nhu cầu mua sản phẩm giá sỉ, vui lòng liên hệ với Hotline để đươc tư vấn
Thông tin liên hệ Khoai deo Hải Ninh, Quảng Bình
Địa chỉ: Tiểu Khu 5, thị trấn Quán Hàu, Quảng Ninh, Quảng Bình
Hotline: 0979.453.416 (Ms Trúc)
Fanpage: https://www.facebook.com/khoaideongonquangbinh

1:02 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Get Free Shots from Snap.com/html>